segunda-feira, julho 26, 2010

PRESIDENTE DOS SONHOS PARA MOÇAMBIQUE

Por: Eugénio Chimbutane
Compatriotas,

Não podia ficar alheio ao debate sobre o novo presidente de Moçambique, que apesar de ainda incipiente, promete. Infelizmente, a figura do presidente da república está muitas das vezes associada ao sucesso ou fracasso no progresso de vários países a nível mundial, sobretudo nos menos desenvolvidos.

Os países africanos e Moçambique em particular passaram por vários contextos que ditaram o tipo e perfil de presidentes que tivemos até então.

Actualmente, fazendo parte dos cidadãos que irão contribuir directa ou indirectamente para a escolha do presidente ideal para Moçambique, achei importante traçar o perfil do meu presidente dos sonhos.

Sem má intenção, continuo a acreditar que o novo presidente sairá das fileiras da FRELIMO. Sinceramente falando, pelo menos até agora, ainda não surgiu em Moçambique um candidato ou partido da oposição com um discurso coerente e que possa desviar o voto do partido que se pretende milenar.

Portanto, a oposição tem muito que re-afinar a sua estratégia de actuação em Moçambique, o que passa por vários desafios (um dia vou colocar um artigo sobre isto), nomeadamente:

(i) Como identificar e combater infiltrados nesses partidos.

(ii) O desenvolvimento de estratégias de sustentabilidade económico-financeira.

(iii) A preparação de figuras coesas, limpas, sem rabos-preso no passado recente de libertação do país ou de guerra desestabilização.

(iv) A capacidade de passar do discurso para a acção. Por exemplo, em vez de prometer mundos e fundos durante as campanhas eleitorais, deviam praticar acções de responsabilidade social, como constituir e oferecer uma escola ou furo de água a uma comunidade X.

(v) Aparecer no quotidiano com posicionamentos bem pensados e suportados cientificamente por uma massa cinzenta que deverá ser criada no seio desses partidos;

(vi) E vários outras estratégias e posturas que irei discutir no artigo que irei dedicar à Oposição em Moçambique: Que Estratégias?

Nesta ordem de ideias, até prova em contrário, o meu presidente dos sonhos só poderá sair da FRELIMO.

O meu sonho é de que esse presidente devia ser um economista. Alias, tenho defendido isto para todos os países em desenvolvimento (prefiro chamá-los pobres).

Não quero com isto dizer que outros profissionais não tenham capacidade. Mas um economista, dada a sua inclinação para o estudo de estratégias de desenvolvimento, poderia tirar o país da pobreza mais rápido que um outro profissional formado em outras áreas ou sem formação específica.

Aqui, quando falo de economista não me refiro a pessoas que andaram a ter o ABC de economia nos MBAs ou em outras aventuras. Refiro-me a um economista de raiz, dotado de bases sólidas e ferramentas próprias para resolver os problemas de desenvolvimento.

Há quem possa dizer que estou a exigir demais para um presidente, que ele não governa sozinho, vai ter sempre assessores, etc. Isso até pode ser verdade e que há vários exemplos no mundo, que mesmo sem serem economistas, os presidentes conseguiram promover desenvolvimento sustentável e progresso dos seus países.

Mas compatriotas, sejamos realistas. África (Moçambique em particular) precisa de presidentes economistas, porque tirar o país da pobreza é uma questão urgente. Para corresponder com esse desafio, precisamos de um presidente que esteja no centro dos acontecimentos. Precisamos de um verdadeiro actor de desenvolvimento e que todas as políticas traçadas estejam no cerne da sua criatividade e imaginação.

Para completar o dueto, um grande e visionário presidente economista, devia também estar acompanhado por um Ministro de Desenvolvimento robusto (de preferência economista), com posições próprias e até de certa forma académicas e filosóficas sobre o desenvolvimento.

Naquela semana das celebrações do 25 de Junho, dia da nossa independência, andei a ler vários jornais, com o objectivo de ver (do rol as figuras abordadas, aquela que tinha uma abordagem de um verdadeiro estadista. A maioria era aquela base: lamber botas até brilharem. Mas em certa medida, acho eu, que foi no Semanário Domingo, deparei-me com Tomás Salomão tocando no ponto essencial e demonstrando uma visão clara sobre as principais linhas que Moçambique deverá tomar rumo ao desenvolvimento.

Apesar de não ter lido muito Tomás Salomão, até ao ponto de pegar a sua filosofia do desenvolvimento, acho que devíamos prestar um pouco mais de atenção nesta figura. Este é o perfil de presidente dos meus sonhos. Acredito haver muito mais figuras, economistas, escondidas tanto internamente como no exterior.

Obviamente, associado à sua robustez e visão sobre o desenvolvimento (não aquele equacionado em planos quinquenais), o presidente dos meus sonhos deverá possuir valores e princípios humanísticos, democráticos, de inclusão, equidade e uma política clara de redistribuição de rendimento. E cativar! Sempre! Não com discursos messiânicos, mas com propostas de soluções possíveis, associadas à uma capacidade de colocar meios e recursos para podermos a arrancar.

Votos de uma boa escolha. E Escolham um Moçambique melhor!
Eugénio Chimbutane

Share/Save/Bookmark

20 comentários:

Dino Foi disse...

É o presidente dos sonhos do senhor Eugénio Chimbutane, nada mais que isso. Os argumentos para mim sao incongruentes, o Partido Frelimo entre muitas outras coisas precisa de limpar os infiltrados também. Nao talvez na tónica do senhor, mas aquelas pessoas que em vez de fazerem aquilo que devia ser feito para o bem do povo fazem para agendas obscuras. Economistas nao governam países, esses alimentam o Presidente que ateh pode ser um militar, engenheiro ou mesmo advogado. Nao me lembro de termos tido alguma vez um presidente economista em Moçambique, a nao ser que esteja a dizer que o pais estah mal porque os presidentes nao eram economistas, uma tese muito forte para um Doutoramento ateh. Pense nisso. Saudações.

Eugénio Chimbutane disse...

Caro Dino

Obrigado pelo seu precioso comentário. A minha tese não é bem essa de que estamos mal, porque nunca tivemos economistas como presidentes. Como eu disse, as realidades de cada momento ditaram os presidentes que tivemos. Até vou pensar em como explorar bem isso. Mas como já estamos em viragem, temos que fazer escolhas mais consciente para aquilo que queremos deste país e de nós mesmos como pessoas.

Se reparou no meu texto, estou consciente do papel dos assessores ou ministros que possam apoiar o presidente na sua espinhosa missão de libertar o país da pobreza e da dependência económica. Mas dado o contexto dos nossos países em desenvolvimento, em que a figura do presidente acaba ditando o curso dos acontecimentos, precisamos de um presidente muito mais robusto.

Veja, em Moçambique são muito poucos ou quase inexistentes os ministros que assumem posições próprias, não que tenham que estar contra a abordagem do presidente sobre um determinado assunto, mas se vê uma clara falta de segurança no que os vários ministros tentam reproduzir da voz do comando.

É dentro deste contexto que acredito um presidente economista, com forte bagagem de conhecimento sobre questões de desenvolvimento poderá tirar o país da pobreza com a maior urgência necessária.

Por fim, queria repisar que aceito que qualquer cidadão possa ser presidente da república, entretanto cada um poderá levar o país ao progresso dentro das dinâmicas que será capaz de criar tendo em conta o seu conhecimento e capacidade de imaginação. Mas como hoje estamos mais interessados em encontrar soluções imediatas, um economista seria o mais ideal para nos tirar da pobreza, já.

Egídio Vaz disse...

Aló Chimbutane. Dá para ver que você anda muito atarefado para dedicar um tempinho para Blogar. Mano, não vejo nenhum nexo entre a formação académica de um indivíduo, neste caso, o PR e a eficácia no combate a pobreza. A única novidade que vejo aqui é a sua declaração de apoio a Tomas Salomão, que fê-lo de forma pouco discreta. Por isso, acho que perdeu tempo em escrever um texto tão prolixo, coisa que devia nos poupar e ir directo ao assunto: propões Tomas Salomão como Proximo PR. Ai sim, teriamos uma base de debate. Mas sabe também que essa proposta é ainda muito imatura, dado que o Congresso é que definirá, ou pelo menos sairão luzes que nos permitirão cogitar sobre o futuro candidato da Frelimo. EM uma unica palavra, mano Chimbu, volte a blogosfera.Se não tiver tempo, faça como eu. Desaparecer. Descuple, fui duro, mas não aguentei com essa.

celso disse...

Caro Eugenio. O exercicio que fazes é bonito, pois sonhar é de borla. Deixe-me entar no seu sonho e nao concordar muito com ele. Acho que ser presidente é ser um pouco isso que tentas fazer, ser um sonhador, ter visoes (sonhos) e ser capaz de montar uma boa equipa capaz de materializar os seus sonhos. Um presidente é como um treinador, não precisa ser um bom jogador,mas tem de saber montar uma boa equipa e ser um bom estratega para contrapor as adversidades que se lhe vao surgindo. Parece que ao sugerires um presidente economista pretendes que o presidente seja um implementador ou seja um jogador, indo ao exemplo que apresento. Mas enfim, sonhar é sonhar...Vai sonhando... Um abraco! Celso Gusse.

Eugénio Chimbutane disse...

Egídio,

Veja meu comentário acima.
Também já sabia que este post iria ser mal interpretado, sobretudo quando proponho um economista e quando acredito que o novo presidente sairá da FRELIMO.

Esses pontos suscitam pedras mesmo. Das mais grossas. Mas é o que eu penso e não optarei em lançar pedras a ninguém em troca.

Isto de pedras está em linha com o que disse Elísio Macamo um dia desses, que o Debate de Ideias em Moçambique ainda está na fase dos insultos. Mas eu não vou entrar nessa.

Também queria deixar claro que não sou apoiante de Tomás Salomão. Esta figura aparece como exemplo.

Sobre a formação académica, eu reconheço que cada curso ou especialidade tem o seu lugar no progresso de uma nação, mas há algumas áreas do saber que deviam ser as primeiras a entregar a mão à palmatória quando falha um projecto de desenvolvimento ou quando este estiver a ser bastante lento em alcançar os objectivos traçados.

Egídio Vaz disse...

Eu não te insultei Caro Chimbutane. Apenas fui contundente. Nunca esperei que pudesse escrever tão simples como fez, conhecidas que são as suas credenciais academicas e intelectuais. E sobre o seu texto não coemnto nada. É mesmo adusto. Desculpe, mais uma vez. DO fundo de coração. Se isso servir para amainar a sua desilusão.

Eugénio Chimbutane disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Eugénio Chimbutane disse...

Tudo bem, caro Egídio.
Parabens pela "contundência".
Mas a razão (aqui camuflada) da inutilidade da minha opinião, parece muito clara: consigo ver isso, lá, no fundo do seu subconsciente.

Anónimo disse...

Caros Egidion Vaz,


Discordo dos seus argumentos que tem epicentro quando diz: "....não vejo nenhum nexo entre a formação académica de um indivíduo, neste caso, o PR e a eficácia no combate a pobreza.".

O Egidio está a sugerir que o PR não tem pensamentos próprios? Claro que tem, e a formação académica molda ou influencia tais pensamentos.

Dependendo do poder real ou influência que a figura do PR exerce na máquina governativa, o seu pensamento próprio é mais ou menos determinante na eficácia do combate a pobreza. Logo, formação influencia pensamento, e pensamento influencia eficacia no combate a pobreza, via poder ou influencia que o PR exerce na máquina governativa.


Atenção que não estou concordando ou discordando com Chimbutane, apenas acho que o senhor Egidio disparou antes de apontar o alvo.

Abraços

Oland Melta
metical.mz@gmail.com

Anónimo disse...

Caro Dino Foi

Voçe Diz:

"Nao me lembro de termos tido alguma vez um presidente economista em Moçambique, a nao ser que esteja a dizer que o pais estah mal porque os presidentes nao eram economistas, uma tese muito forte para um Doutoramento ateh."

Eu lhe Digo:
o PR tem pensamento próprio e a sua formação influencia seu pensamento, e este influencia por sua vez o desenvolvimento do país. Ou melhor, a formação ou área de formação do PR conta sim senhor.

Oland Melta
metical.mz@gmail.com

Anónimo disse...

Caro Celso

Voce diz:

"Parece que ao sugerires um presidente economista pretendes que o presidente seja um implementador...".

Eu lhe digo:

"O PR tem pensamento próprio e a sua formação influencia seu pensamento, e este influencia por sua vez o desenvolvimento do país. Ou melhor, a formação ou área de formação do PR conta sim senhor".

Oland Melta
metical.mz@gmail.com

Chacate Joaquim disse...

Para mim Egídio tem razão achei de facto um texto extremamente simplista para o que se pretende no futuro e muito antes de passar por aqui demostro isso no mesmo texto publicado no sítio do Egénio.

Eugénio, Mantenho o meu comemtário mesmo depois de ter passado por aqui como me sugeriu.

Anónimo disse...

Não sou muito de intervir nos Blogs. Mas não poderia ficar indiferente a este quente debate, que para além de interessante alguns chegam a colocar em causa a integridade académica dos outros.

Notei nas várias intervenções que as pessoas estão mesmo chocadas, não tanto pela qualidade do texto em discussão, mas o facto de tender a dizer “economistas” e “Frelimo”. Muitas das intervenções escondem a preocupação com estes dois pontos, tal como aponta um dos comentários do Chimbutane.

Fiquei de certa forma curioso do Dr Egídio na forma como avalia a opinião do Chimbutane sobre o que queria que se parecesse o próximo presidente. Googlei e achei o Blog do Dr Egídio e suas intervenções em alguns Blogs da praça. Tentei estudar o Dr Egídio e com base no que li, encontrei um autêntico charlatão, de ideais coloridas e que reivindica ser o dono da verdade, para além de ostentar um toque de adivinho.

Avaliando o conteúdo dos Blogs (Chimbutane e Dr Egídio), acho que o segundo tem mais lixo do que o primeiro. Se o lixo do Chimbutane pode até ser reciclável, o do Dr Egídio é para ser incinerado em bruto. Acho que pessoas com uma postura do Dr Egídio em relação ao Debate e ao País, são sinceramente inúteis para o processo de desenvolvimento.

Na minha opinião, se fosse para escolher o melhor Blog, tendo em conta a abordagem de cada um em relação a questões de desenvolvimento, talvez ficaria com o do Chimbutane.

Para terminar, acho que o Chimbutane sabe que qualquer um pode ser Presidente da República, mas apenas alguns podem tirar o país da pobreza com maior velocidade que os demais. E é isso o que nós queremos. Um presidente como o Dr Egídio, com os seus academicismos indefinidos e baratos, levaria no mínimo 100 anos para alcançar esse objecto, ainda com o risco de deixar o país num caos total.

Até sempre,

Alexandre

Egídio Vaz disse...

Obrigado caro Alexandre por tão sábias constatações. Pena que se deu ao trabalho de avaliar, estudar o meu blog, porque para chegar a conclusão que chegaou não precisava de tanto investimento. Aceite caro Alexandre que procurou espaço errado para chamar-me de charlatão. Devia ter-me chamado esses nomes todos, em cada ideia por mim colocada em cada blog e espaço público onde expressei a minha opinião. Mas ainda vai a tempo, mesmo se quiser, venha ao meu blog e me chame estes nomes todos. Não irei apagar nenhum de cada insulto que me proferir. Conheço o Chimbutane e é meu amigo. APesar da desilusão que nutre pelo meu comentário, ele sabe que fi-lo de alma livre e espontânea. E, mesmo que pudesse debater com ele fa-lo-ia com a mesma liberdade de TOM que assiste à qualquer cidadão.
Estamos juntos.

celso disse...

"O PR tem pensamento próprio e a sua formação influencia seu pensamento, e este influencia por sua vez o desenvolvimento do país. Ou melhor, a formação ou área de formação do PR conta sim senhor". Oland Melta
metical.mz@gmail.com

Meu caro OLAND MELTA,

Responda-me as seguintes questões:
1. Na sua opinião qual a area de formaçao ou grau academico que achas que um Presidente da Republica de Moçambique deve ter?
2. O que queres dizer com a fraze "o PR tem pensamento próprio"? Ao acaso alguem aqui disse que os nossos PR não possuiam pensamentos prórios?
3. Para si, estudar economia, medicina, filosofia significa ser um bom filosofo?
4. Achas que o que influencia a maneira de ser, estar e pensar de cada um é apenas a formação academica?
5. Achas que o simples facto do Presidente ter uma visão, isto vai logo ditar o rumo do desenvolvimento das coisas?

Admira-me a sua capacidade facil de raciocinar e trazer conclusoes. Acho que se as coisas fossem assim tão simples o pais estaria muito longe. Sugiro que mude de angulo e passe a ver as coisas dentro das suas complexidades, ou seja analize!!!

Evite trazer conclusões demasiado simplistas. Sugeria que trouxesses para este forum análises com o minimo de fundamentos. Usar silogismos do tipo "as nuvens estão escuras, logo vai chover" não bastam!!! Para comecar sugeria que lesses COMBATES PELA MENTALIDADE SOCIOLOGICA, do Professor Carlos Serra. Caso não encontre na praça, posso empresta-lo.

Fui..

Celso Gusse.

Eugénio Chimbutane disse...

A todos muito obrigado pelas contribuições. Termino aqui as minhas intervenções sobre o assunto. Lembrem-se sempre: as nossas escolhas é que determinam o rumo das coisas. Depois não dingam que falta emprego. Não há habitação para jovens. Etc. E várias outras caisas que a maioria anda a reclamar, esquecendo que a erradicação destes e doutros males depende da nossa capacidade de escolher (sem emoções e paixões) pessoas certas para liderar o processo de desenvolvimento.

Anónimo disse...

Caro Celso,

Eu disse e repito:

"O PR tem pensamento próprio e a sua formação influencia seu pensamento, e este influencia por sua vez o desenvolvimento do país. Ou melhor, a formação ou área de formação do PR conta sim senhor".

Na pergunta 4 voçe questiona:

Achas que o que influencia a maneira de ser, estar e pensar de cada um é apenas a formação academica?

Meu caro com essa pergunta voce concordou comigo....agora diga-me onde está a razão da sua critica e insultos? Sugiro que releia 3 vezes COMBATES PELA MENTALIDADE SOCIOLOGICA, do Professor Carlos Serra.


Oland Melta
metical.mz@gmail.com

celso disse...

Oland,

Não me reocordo ter te insultado. Caso tenhas tido essa percepçao, vão as minhas sinceiras desculpas. Quanto as criticas...és livre de aceitar ou recusar.

Um abraco.

Celso

Nelson disse...

Impressionante como as pessoas se "desentendem aqui. IMPRESSIONANTE

Anónimo disse...

retindatEm princípio, apresento as minhas críticas aos blogers que imaturamente desanimam ao inves de cativar; insultando ao inves de contrapor ideias suas.(Egídio se parece mais com um Ardina que não sabe ler - imaginem)

Indo ao assunto:
O País precisa de um Líder - Parabens Chimbutane, muitas forças, não te deixes dezanimar, digo isso embora não concorde muito com os argumentos,

indo a questao: primeiro devemos considerar que neste país tal como em muitos outros da Africa, os partidos exercem muita influència muito forte sobre os seus pré-eleitos, não é ao povo a quem ele ausculta mas sim ao partido neste caso particular á frelimo que por sua vez tem lá individuos mentalmente pobres ao ponto de pensar que quem liberta(independencia) torna-se exclusivamente proprietário.
ao meu ver, o país precisará de passar pelo menos 2 ou 3 gerações pra concretizar o Sonho (de ver um presidente Lider), pois até aí os libertadores ambiciosos já teram morrido ou muito velhos,(passa a expressão), não se esqueça também que isto não é Europa nem australia, é Africa, com realidade própria, cultura, entre outras.