sexta-feira, maio 22, 2009

O dilema das Prioridades no combate ao HIV/SIDA

Há dias que tenho acompanhado uma publicidade nas televiões nacionais, onde aparece senhoras vendedoras do mercado informal a dizerem " eu amo a minha família e o meu País por isso digo sim ao censo sobre HIV/SIDA" ou "INSIDA" uma coisa semelhante.

Não pretendo tirar merito do censo na resolução do problema de HIV, apenas pensar com os outros sobre várias estratégias que adopta-se face ao sida. Por uma questão de inteligibilidade preferimos trazer um pouco da nossa percepção sobre a história dos censos, importância e prioridade dentro de tantas outras necessidades.

Há informações que indicam que o censo mais antigo do mundo foi na China em 2238 a.c., também se há referências dos gregos e romanos das suas influências no desenvolvimeno dos povos que também realizavam censos a.c. Os incas nas americas também tinham dados numerais sobre a população aprofunde aqui.

Mas também podemos lembrar o censo descrito na bíblia cristã no livro de Lucas, decretado pelo César Augusto, para que todos fossem recenseados nos lugares onde nascenram.

Objectivos

São vários, por exemplo na antiguidade permitia os chefões obrigarem os homens a comprirem com obrigações fiscais, militares, Xibalo etc. portanto são usados para aplanificação e definição das prioridades tanto dos governos, como dos empresários e a sociedade em geral para a definição de prioridades e comparações.

No caso vertente de HIV/SIDA, há várias acções a serem desenvolvidas, deste a formação através de palestras, identificação e tratamento.

Em principio a identificação e tratamento deveria ser feito em simultânio mas o custo e despesa da sua realização torna a actividade muito difícil. o INE falanos de uma população de 20 milhões dos quais estima-se que 16.2% são HIV positivos o que equivale a 3.24 milhões de moçambicanos efectados, neste universo, 23% está a receber tratamento anteretroviral e linearmente 77% do mesmo universo não pode aceder por falta de farmacos, é preciso acrescentar que o HIV/SIDA é umas das principais razões do empobrecimento das sociedades porque ataca maioritariamente a população activa deixando muita das vezes velhos e crianças.

O último censo da População o seu custo é estimando em mais de 20 milhões de euros e a mais da metade do seu financiamento veio da ajuda externa! movimentou 16.542 controladores, 45.551 recenciadores para além dos meios.

O é que significa em termos de custos e despesas realizar este censo de HIV? se muitos Projectos de investimentos estam a lutarem por se manterem firmes perante a crise económica finaceira! Moçambique ainda aposta em projectos alongo prazo! como é que se explica a falta de medicamentos para logo intervir em casos de se detectar um seropositivo mas há dinheiro para realizar censo de um problema já identificado? ou para os Gestores tres milhões de Moçambicanos em perigo não definem a imergência da provável crise Humanitária!? E depois de ter o número dos doentes é exatamente isso que vai determinar a existência de fundos para compra de farmacos? Qual é a prioridade? recuperar os que já estam na linha vermelha ou simplismente conta-los! O sida deve deixar de ser um problema de morte.

Pensa Comigo
Share/Save/Bookmark

1 comentário:

WORF NETO disse...

SHIRANGANO, grato pela visita! UM forte abraço!